Os concorrentes do Candy Crush

Uma palhinha com os 15 maiores e melhores concorrentes do Candy Crush. Divirta-se e não fique viciado, viu?

16

Candy Crush Saga tomou conta do mundo todo. Este jogo é mais do que um passatempo, é viciante. Se algum de vocês, fãs de Candy Crush Saga está à procura de jogos similares, estamos aqui para ajuda-lo, fornecendo mais desperdiçadores de tempo. Esses 15 jogos que listamos oferecem os mesmos desafios que o fará viciar tão quanto Candy Crush. Tenha em mente – todos estes jogos e Candy Crush Saga deve sua própria existência a Shariki. Prepare-se para perder ainda mais a vida da bateria do seu smartphone ou olhe para a tela do computador por horas a fio. Estes jogos são perfeitos para os jogadores assíduos de Candy Crush Saga.

15. Bejeweled

15

Este jogo vai parecer familiar para qualquer um que jogou Candy Crush. Este jogo possui uma série de tarefas onde os jogadores deve combinar um monte de cristais e jóias para atingir seus objetivos. Se você gosta de Bejeweled, então você pode muito bem jogar Bejeweled 2, Bejeweled Twist, e Bejeweled Blitz Bejeweled 3.

14. The Treasure of Montezuma 3

14

Acompanhe a bela e esperta Dra. Emily Jones na solução de um mistério que pode transformar o mundo…Crie linhas ou colunas com 3 ou mais símbolos iguais. Clique em 2 símbolos para inverter a posição deles.
Utilize os símbolos com gema na combinação para ganhar a gema.
Para completar cada fase, você terá de coletar um certo número de gemas antes do tempo esgotar.
Uma combinação de 4 ou mais símbolos lhe renderá um item padrão de bônus. Combinações de 5 ou mais lhe darão um item de bônus mais poderoso. Os símbolos de aço só podem ser eliminados usando os itens de bônus. Símbolos com correntes não podem ser movidos. Você terá de criar uma combinação em torno deles ou destruí-los pelo uso de um bônus.
Entre uma fase e outra, você pode conseguir melhorias e obter um totem com um poder único. Baixe o jogo do Google Play aqui.

13. Jewel Mania

13

Jewel Mania é um jogo para iPhone, iPad e iPod touch que irá encantar crianças e adultos. Oferecendo a mesma jogabilidade de Bejeweled, o objetivo do jogo é combinar três ou mais pedras preciosas com a mesma cor. Para tanto, você deve deslizar o dedo de modo que as pedras combinem, seja na horizontal ou vertical.
Jewel Mania possui integração com o Game Center e Facebook. Ao todo são 60 fases de muita diversão. O jogo roda em iPhone, iPod touch ou iPad com iOS 4.0 ou superior.

12. 10000000 (Ten Million)

12

Pra quem achava que não era possível incluir estilo de RPG dentro de um quebra-cabeça se enganou. No jogo 10000000 você terá que combinar um monte de espadas, escudos, etc. Mantenha seu aventureiro vivo e corte todos os seus inimigos.

11. Puzzle Quest 2

11

Quer outro jogo estilo RPG? Ok, aqui está o Puzzle Quest 2, um título que esteve presente em consoles de videogames antes de ser transferida até os dispositivos móveis. Não há limite de tempo para este quebra-cabeças. Tentar igualar os crânios e esferas elementais.

10. Bravesmart

10Escócia, no início da Idade Média. Por muitos anos os clãs tiveram que se esconder dos Sidhe, as legendárias criaturas míticas. Mas agora, a idade das trevas ficaram no passado e começou um futuro de luz. Três bravos clãs dominaram as Terras Altas desertas para repovoá-las. Mas, os clãs Woodhead, Tinears e Stonehands não conseguem chegar a um denominador comum e obstruir os esforços de cada um. Além disso, por outro lado, o rebanho está feliz com a sua liberdade e tentará impedir os colonizadores.
Os clãs procuram por um herói para uni-los. Ou pelo menos alguém com um bom perfil organizacional.
Você é essa pessoa, chamada “BraveSmart” pela inteligência e vontade de controlar os teimosos homens dos clãs.

9. Cruel Jewels

 9

Cruel Jewels é um jogo de combinação de peças sem muito segredo. Você precisa alterar a localização de cada item para formar linhas horizontais e verticais de no mínimo três peças, fazendo com que elas desapareçam da tela.
O diferencial deste jogo está nas possibilidades que ele oferece. O app tem cinco modos de disputa com três níveis de dificuldade diferentes. Além de jogar no modo clássico, você vai encontrar fases em que cada uma delas tem um objetivo diferente.

8. Doodle Find

8Se você acha que tem um olhar capaz de localizar qualquer coisa em meio à bagunça, vai se surpreender com o Doodle Find. O game conta com um painel lotado de objetos de diversas cores, posicionados de maneiras diferentes e prontos para confundir você. Para se dar bem na brincadeira, você deve usar o tempo dado pelo game para encontrar o maio numero de objetos que puder. Você tem um minuto e meio para mandar bem na procura.
O cronometro fica na base da tela, logo ao lado da contagem de pontos do game. Se quiser, você ainda pode optar pela jogatina em rede, fazendo login com sua conta no Facebook ou continuar jogando offline. O game funciona da mesma forma nos dois estilos, no entanto, ao conectar o Doodle Find na rede, você pode participar do ranking de melhores gamers do app.

7. Puzzles and Dragons

 7

Puzzle & Dragons é um game diferente, pois mistura dois gêneros de maneira espetacular. Afinal, assim como as batalhas de RPG normais podem ser monótonas, o mesmo acontece com apenas juntas pedras de cor igual por muito tempo. Porém, juntando os dois estilos você não apenas precisa pensar para conseguir atacar, como deve sempre se adequar para usar estratégias eficientes.

Este game é parecido com Digimon pelo fato de ser possível fundir criaturas, o que acontece exclusivamente para deixá-las mais fortes. Porém, apenas nas fusões com a intenção de evoluir o monstro é que ele realmente muda de forma: não existe uma mistura efetiva dos bichos, o que talvez faça o jogo perder um pouco da graça.

6. Dots: Um jogo de conexões

6O Dots, um jogo de ligar pontinhos coloridos em uma tela. O objetivo do game é ligar o maior número de pontos da mesma cor que estejam lado a lado (não vale a diagonal), de preferência formando um quadrado, o que faz com que todos os pontos da mesma cor sejam apagados do tabuleiro virtual.
A pontuação é marcada em turnos de apenas 1 minuto, então não é o tipo de jogo que você passa horas a fio em uma partida, mas o vício vem rapidinho, na ânsia de bater o próprio recorde ou ultrapassar a pontuação dos amigos.

5. Farm Heroes Saga

5

Farm Heroes Saga é um game online desenvolvido pela mesma empresa que concebeu o Candy Crush. Desta vez, você vai ter que raciocinar bastante para tentar salvar todas as plantações de uma fazenda inteira.
Para que isso seja possível, é necessário que você ligue elementos iguais em grupos de três. Dessa maneira, não vai sobrar nada para o grande vilão do jogo, o terrível guaxinim Rançoso, fazendo com que ele perca o interesse pelas suas terras.

4. Triple Town

4

 

Este game se destaca do resto dos jogos desta lista graças ao seu formato. Você tem o objetivo de construir cidades com mais itens e edificações que conseguir. Para isso, é necessário combinar, de forma calculada, objetos em um território, completando os espaços, ganhando moedas e derrotando os ursos que aparecem para assustar os moradores.
A cada nova fase, mais itens e obstáculos vão surgindo, fazendo com que o quebra-cabeça — que une especia

lmente o espírito de administração com o raciocínio lógico — torne-se ainda mais desafiante com o passar do tempo.
Bem-vindo ao Triple Town!

3. Puzzle Craft

3

Alguns moradores começaram um novo assentamento e eles te colocaram no comando. No Puzzle Craft você tem o controle de uma população inteira e deve ajudá-los a crescer em uma cidade movimentada! Para fazer isso você vai precisar cuidar da fazenda, da mina, recolher impostos, contratar trabalhadores e muito mais. Misturando duas formas de jogo pela primeira vez, Puzzle Craft é tão original quanto viciante.

2. Gems Journey

2Gems Journey é um jogo de combinação de cores e elementos em que você tem que completar diferentes objetivos em cada um dos estágios para progredir.
Para ganhar pontos e completar as missões de Gems Journey é necessário agrupar pedras de igual cor em grupos de três ou mais peças, desde que estejam alinhadas horizontalmente ou verticalmente. Se elas são alinhadas em grupos verticais e horizontais (originando um “L”), mais pontos são concedidos ao jogador e um estouro de explosões destrói mais peças.

1. Smiles HD

1Smiles HD tem um caso extremo de fofura. Todas as estrelas de olhos brilhantes, guarda-chuvas variados e outros itens utilizáveis fará seu coração derreter como ninguém. Este jogo é tão difícil de largar e encantador demais para ficar bravo. Anime-se e iguale-se a alguns sinos coloridos e bolotas do jogo.

Fonte: Super Pérolas / postado em setembro 07, 2013.

A maconha no esporte

Defendida como boa para potencializar o efeito anestésico ou como relaxante, a olêmica do uso da maconha também entra em debate no esporte. Masmo suavizado nas punições pelo órgão máximo de regulamentação do doping, a AMA (agência Mundial Antidoping), a substância é proibida e uma vez detectada, é causa de suspensão, punição e ou até perda de patrocínios. Veja alguns dos atletas a favor do uso, alguns que foram flagrados utilizando ou pegos no doping pelo consumo da droga.

Atletas que já fumaram maconha:

Gary Hall

Gary Hall Jr. é filho e neto de campeões olímpicos na natação. Em 96, rival de Alexander Popov, disputou sua primeira Olimpíada em Atlanta. Garantiu dois ouros e duas pratas e despontou como promissor talento do esporte. Dois anos depois foi suspenso pela Federação Internacional de Natação por maconha detectada no doping. A suspensão foi de três meses. Depois desse episódio ficou um tempo fora do esporte e voltou a competir nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, e Atenas em 2004.

Giba

Um dos casos mais marcantes de esportistas brasileiros pegos no doping foi o jogador Giba, da seleção brasileira de vôlei. Ele já era atleta profissional e com grande experiência quando foi flagrado no exame por uso de maconha. Em 2002 Giba defendia o time italiano Estense 4 Torri Ferrara e o resultado detectou metabolito de THC, um subproduto da cannabis. Foi suspenso por nove jogos pelo Comitê Olímpico e ficou 4 meses fora das quadras.

Renato Silva

Além de Regis Pitbull, jogador do Bahia, flagrado em 2001 e Fabrício Diel Vieira, jogador a série C suspenso em 2006, outro do futebol punido pelo uso de maconha foi Renato Silva. Em 2007 ele era atleta do Fluminense e seu exame de doping indicou tetrahidrocanabinol. Além da punição de 120 dias, foi dispensado do clube carioca por justa causa. Baladeiro e polêmico, o zagueiro atualmente defende o Vasco da Gama após uma temporada pelo São Paulo e pelo Shadong Luneng Taishan, da China.

Gervasio Deferr Angel

Outro atleta olímpico flagrado no doping foi o ginasta Gervasio Deferr, integrante da seleção espanhola. Ele foi suspenso por três meses depois do exame realizado em 2002 durante o Mundial da Hungria. Deferr, um dos mais bem sucedidos atletas da modalidade na Espanha, além da suspensão, foi advertido e perdeu a medalha de prata conquistada no solo.

Estefânia de Souza

Uma das únicas mulheres flagradas no doping por uso de maconha, Estefânia do vôlei foi pega no exame em 2004. A ex-atacante defendia o Rexona Ades (atual Unilever) e sofreu uma punição bastante curiosa: teve que cumprir 20 dias de trabalho comunitário, uma pena leve e fora das regras internacionais.

Holger Fischer

A explicação menos convincente para o doping por maconha foi dada pelo alemão Holger Fischer. O tenista foi suspenso por três meses quando disputava um torneio na Suíça. Ele alegou que comeu alguns biscoitos em uma discoteca e que a erva era um dos ingredientes da suspeita bolachinha.

Thiago Silva

O UFC é um dos esportes que mais geram polêmica com o uso e defesa do consumo de maconha. O lutador paulistano Thiago Silva é um dos que admite o vício e já sofreu punição pela substância detectada no doping. Em 2012 ele foi pego no exame depois da disputa do UFC on Fuel TV 6, na China. Na ocasião o brasileiro venceu o búlgaro Stanislav Nedkov, mas foi suspenso por seis meses e recomendado para um programa de reabilitação. Em maio de 2013 voltou a treinar e integrou o card na final do TUF Brasil 2, realizado em julho. Thiago cumpriu o afastamento, mas continua admitindo que consome porque, segundo ele, não tem outros vícios e fumar o ajuda a relaxar.

Nate Diaz

Outro lutador do UFC que defende o uso é Nate Diaz. Ele é irmão do também integrante do UFC, o peso-médio Nick Diaz. Nate constantemente fala da droga nas redes sociais e foi através dela que se expressou sobre a suspensão de Pat Healy. Na edição 159, Pat venceu Jim Miller e foi o destaque como melhor luta e nocaute da noite. Perdeu todo o dinheiro da premiação, cerca de 100 milhões de dólares, ao ser pego no doping. Nate, também suspenso na ocasião, não deixou barato e foi para a internet reclamar. O UFC se pronunciou oficialmente depois do post lamentando os comentários do lutador.

Wilder Medina

A atual atacante do Santa Fé, da Colômbia, defendia o Tolima em 2011 e foi flagrado no doping. Ficou um ano afastado dos gramados e foi encaminhado para um programa de desintoxicação. Voltou a jogar em 2013 e foi artilheiro do campeonato colombiano. A superação para se livrar do vício é recorrente na carreira do jogador e, esta última, é considerada pelos fãs e mídia especializada como uma das mais recentes “ressurreições ” de Medicina.

Michael Phelps

Antes de se tornar o nadador com mais medalhas numa Olímpiada, em Londres 2012, Michael Phelps passou por um momento bastante difícil e desacreditado da carreira. Após garantir oito medalhas nos Jogos Olímpicos de Pequim (2008), o norte-americano estampou a capa do polêmico tablóide inglês News of the World. Na foto, o nadador aparecia fumando um bong – um dos objetos usados para consumir a maconha. A partir do episódio, além de muita confusão na mídia, seguiu-se uma série de tentativas de acordos para não divulgação de mais notícias e fotos feitas entre o jornal e a Octagon, agência de marketing que cuidava da imagem do atleta. Phelps admitiu que era ele mesmo na foto e pediu desculpas publicamente sobre o incidente.

Fonte: Yahoo

Pra quem ainda sonha com futebol arte…

A CBF ensina a arte de fazer fortunas colocando e lavando dinheiro em paraísos fiscais.  O ex da Nike que o diga.

copa-1962

Parte do dinheiro pago à CBF por times de todo o mundo como cachê para enfrentar a seleção brasileira não era depositada em contas no País, mas foi direcionada para empresas com sede nos Estados Unidos, registradas em nome de Sandro Rosell, atual presidente do Barcelona, ex-representante da Nike no Brasil e amigo pessoal do ex-presidente da CBF – Ricardo Teixeira. A prática teria marcado a gestão de Teixeira na CBF a partir de 2006.

Do Gabão a Hong Kong, passando pela Estônia ou Zimbábue, a seleção brasileira percorreu o mundo cobrando pelo menos US$ 1 milhão por amistoso. O detentor do direito de organizar os jogos é, desde 2006, a ISE, empresa com sede nas Ilhas Cayman. É mole…

Fonte: Estado de São Paulo