Seu nariz detecta 1 trilhão de aromas

n7

O nariz humano pode detectar 1 trilhão de diferentes cheiros, muito mais do que se pensava anteriormente, segundo cientistas estadunidenses.

Segundo pesquisadores da Universidade Rockefeller, em Nova Iorque, usamos apenas uma pequena fração dos nossos poderes olfativos.

Novos estudos publicados na revista Science, sugerem que o nariz humano supera o olho e o ouvido em relação ao número de estímulos que pode distinguir.

O olho humano usa três receptores de luz que trabalham juntos para ver até 10 milhões de cores, enquanto que o ouvido pode ouvir quase meio milhão de tons.

Até então, acreditava-se que o nariz, com seus 400 receptores olfativos, poderia detectar cerca de 10 mil aromas distintos.

n1

Os cientistas resolveram testar a ideia, que data de 1927 mas nunca foi cientificamente investigada.

Eles criaram experimentos para observar o quanto as pessoas conseguem distinguir cheiros em misturas feitas a partir de 128 moléculas de odores diferentes, que representam uma grande variedade de aromas.

As moléculas foram misturadas de forma aleatória em grupos de 10, 20 ou 30, para criar odores não usuais ou menos conhecidos.

As 26 pessoas que participaram do experimento foram, então, convocadas a identificar um aroma a partir de três amostras.

Com base nestes resultados, os pesquisadores extrapolaram o número de aromas diferentes que a pessoa média seria capaz

n3

de identificar se fosse apresentada a todas as misturas possíveis que podem ser feitas a partir das 128 moléculas.

Eles estimaram que a pessoa média pode discriminar entre pelo menos um trilhão de aromas diferentes com o nariz, uma quantidade muito maior que o número de estímulos que podem ser detectados pelo olho e pelo ouvido.

A co-autora do estudo, Leslie Vosshall, disse à BBC que este “é o primeiro teste real que mostra o quão bom os seres humanos são em sentir cheiros”.

Ela disse que os animais ainda são duas ou três vezes melhores do que nós em relação a sentir cheiros, já que dedicam uma maior parte do seu cérebro ao sentido do olfato.

No entanto, o poder do olfato humano não deve ser subestimado.

“Você pode estimular o sentido do olfato a trabalhar mais”, acrescentou. “Estamos usando uma pequena parte dos nossos poderes olfativos”.

n6

Stephen Liberles, do Departamento de Biologia Celular da Escola de Medicina de Harvard, disse que “a pesquisa percorre um longo caminho para abordar a capacidade do sistema olfativo humano, mas ainda há questões específicas a serem respondidas sobre quantos produtos químicos exatamente podem ser percebidos individualmente.”

Fotos: The Wild Side

Fonte: Helen Briggs/BBC News

r10

 

Brasil consome 14 agrotóxicos proibidos no mundo

Especialista indica que pelo menos 30% de 20 alimentos analisados não poderiam estar na mesa do brasileiro.

Os indicadores que apontam o pujante agronegócio como a galinha dos ovos de ouro da economia não incluem um dado relevante para a saúde: o Brasil é maior importador de agrotóxicos do planeta. Consome pelo menos 14 tipos de venenos proibidos no mundo, dos quais quatro, pelos riscos à saúde humana, foram banidos no ano passado, embora pesquisadores suspeitem que ainda estejam em uso na agricultura.

a1

Foto mostra a diferença entre um solo cultivado organicamente (esquerda) e outro que recebeu a adição de adubos químicos ou agrotóxicos

Em 2013 foram consumidos um bilhão de litros de agrotóxicos no País – uma cota per capita de 5 litros por habitante e movimento de cerca de R$ 8 bilhões no ascendente mercado dos venenos.

Dos agrotóxicos banidos, pelo menos um, o Endosulfan, prejudicial aos sistemas reprodutivo e endócrino, aparece em 44% das 62 amostras de leite materno analisadas por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) no município de Lucas do Rio Verde, cidade que vive o paradoxo de ícone do agronegócio e campeã nacional das contaminações por agrotóxicos. Lá se despeja anualmente, em média, 136 litros de venenos por habitante.

Na pesquisa coordenada pelo médico professor da UFMT Wanderlei Pignati, os agrotóxicos aparecem em todas as 62 amostras do leite materno de mães que pariram entre 2007 e 2010, onde se destacam, além do Endosulfan, outros dois venenos ainda não banidos, o Deltametrina, com 37%, e o DDE, versão modificada do potente DDT, com 100% dos casos. Em Lucas do Rio Verde, aparecem ainda pelo menos outros três produtos banidos, o Paraquat, que provocou um surto de intoxicação aguda em crianças e idosos na cidade, em 2007, o Metamidofóis, e o Glifosato, este, presente em 70 das 79 amostras de sangue e urina de professores da área rural junto com outro veneno ainda não proibido, o Piretroides.

aa2

Na lista dos proibidos em outros países estão ainda em uso no Brasil estão o Tricolfon, Cihexatina, Abamectina, Acefato, Carbofuran, Forato, Fosmete, Lactofen, Parationa Metílica e Thiram.

Chuva de lixo tóxico

“São lixos tóxicos na União Europeia e nos Estados Unidos. O Brasil lamentavelmente os aceita”, diz a toxicologista Márcia Sarpa de Campos Mello, da Unidade Técnica de Exposição Ocupacional e Ambiental do Instituto Nacional do Câncer (Inca), vinculado ao Ministério da Saúde. Conforme aponta a pesquisa feita em Lucas do Rio Verde, os agrotóxicos cancerígenos aparecem no corpo humano pela ingestão de água, pelo ar, pelo manuseio dos produtos e até pelos alimentos contaminados.

aa3

Venenos como o Glifosato são despejados por pulverização aérea ou com o uso de trator, contaminam solo, lençóis freáticos, hortas, áreas urbanas e depois sobem para atmosfera. Com as precipitações pluviométricas, retornam em forma de “chuva de agrotóxico”, fenômeno que ocorre em todas as regiões agrícolas mato-grossenses estudadas. Os efeitos no organismo humano são confirmados por pesquisas também em outros municípios e regiões do país.

O Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (Para), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), segundo a pesquisadora do Inca, mostrou níveis fortes de contaminação em produtos como o arroz, alface, mamão, pepino, uva e pimentão, este, o vilão, em 90% das amostras coletadas. Mas estão também em praticamente toda a cadeia alimentar, como soja, leite e carne, que ainda não foram incluídas nas análises.

O professor Pignati diz que os resultados preliminares apontam que pelo menos 30% dos 20 alimentos até agora analisados não poderiam sequer estar na mesa do brasileiro. Experiências de laboratórios feitas em animais demonstram que os agrotóxicos proibidos na União Europeia e Estados Unidos são associados ao câncer e a outras doenças de fundo neurológico, hepático, respiratórios, renais e má formação genética.

aa4

Câncer em alta

A pesquisadora do Inca lembra que os agrotóxicos podem não ser o vilão, mas fazem parte do conjunto de fatores que implicam no aumento de câncer no Brasil cuja estimativa, que era de 518 mil novos casos no período 2012/2013, foi elevada para 576 mil casos em 2014 e 2015. Entre os tipos de câncer, os mais suscetíveis aos efeitos de agrotóxicos no sistema hormonal são os de mama e de próstata. No mesmo período, segundo Márcia, o Inca avaliou que o câncer de mama aumentou de 52.680 casos para 57.129.

Na mesma pesquisa sobre o leite materno, a equipe de Pignati chegou a um dado alarmante, discrepante de qualquer padrão: num espaço de dez anos, os casos de câncer por 10 mil habitantes, em Lucas do Rio Verde, saltaram de três para 40. Os problemas de malformação por mil nascidos saltaram de cinco para 20. Os dados, naturalmente, reforçam as suspeitas sobre o papel dos agrotóxicos.

Pingati afirma que os grandes produtores desdenham da proibição dos venenos aqui usados largamente, com uma irresponsável ironia: “Eles dizem que não exportam seus produtos para a União Europeia ou Estados Unidos, e sim para mercados africanos e asiáticos.”

aa5

Apesar dos resultados alarmantes das pesquisas em Lucas do Rio Verde, o governo mato-grossense deu um passo atrás na prevenção, flexibilizando por decreto, no ano passado, a legislação que limitava a pulverização por trator a 300 metros de rios, nascentes, córregos e residências. “O novo decreto é um retrocesso. O limite agora é de 90 metros”, lamenta o professor.

“Não há um único brasileiro que não esteja consumindo agrotóxico. Viramos mercado de escoamento do veneno recusado pelo resto do mundo”, diz o médico Guilherme Franco Netto, assessor de saúde ambiental da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz). Na sexta-feira, diante da probabilidade de agravamento do cenário com o afrouxamento legal, a Fiocruz emitiu um documento chamado de “carta aberta”, em que convoca outras instituições de pesquisa e os movimentos sociais do campo ligados à agricultura familiar para uma ofensiva contra o poder (econômico e político) do agronegócio e seu forte lobby em toda a estrutura do governo federal.

aa6

Reação da Ciência

A primeira trincheira dessa batalha mira justamente o Palácio do Planalto e um decreto assinado, no final do ano passado, pela presidente Dilma Rousseff. Regulamentado por portaria, a medida é inspirada numa lei específica e dá exclusividade ao Ministério da Agricultura _ histórico reduto da influente bancada ruralista no Congresso _ para declarar estado de emergência fitossanitária ou zoossanitária diante do surgimento de doenças ou pragas que possam afetar a agropecuária e sua economia.

Essa decisão, até então era tripartite, com a participação do Ministério da Saúde, através da Anvisa, e do Ministério do Meio Ambiente, pelo Ibama. O decreto foi publicado em 28 de outubro. Três dias depois, o Ministério da Agricultura editou portaria declarando estado de emergência diante do surgimento de uma lagarta nas plantações, a Helicoverpa armigera, permitindo, então, para o combate, a importação de Benzoato de Emamectina, agrotóxico que a multinacional Syngenta havia tentado, sem sucesso, registrar em 2007, mas que foi proibido pela Anvisa por conter substâncias tóxicas ao sistema neurológico.

Na carta, assinada por todo o conselho deliberativo, a Fiocruz denuncia “a tendência de supressão da função reguladora do Estado”, a pressão dos conglomerados que produzem os agroquímicos, alerta para os inequívocos “riscos, perigos e danos provocados à saúde pelas exposições agudas e crônicas aos agrotóxicos” e diz que com prerrogativa exclusiva à Agricultura, a população está desprotegida.

A entidade denunciou também os constantes ataques diretos dos representantes do agronegócio às instituições e seus pesquisadores, mas afirma que com continuará zelando pela prevenção e proteção da saúde da população. A entidade pede a “revogação imediata” da lei e do decreto presidencial e, depois de colocar-se à disposição do governo para discutir um marco regulatório para os agrotóxicos, fez um alerta dramático:

“A Fiocruz convoca a sociedade brasileira a tomar conhecimento sobre essas inaceitáveis mudanças na lei dos agrotóxicos e suas repercussões para a saúde e a vida.”

aa7

Para colocar um contraponto às alegações da bancada ruralista no Congresso, que foca seu lobby sob o argumento de que não há nexo comprovado de contaminação humana pelo uso de veneno nos alimentos e no ambiente, a Fiocruz anunciou, em entrevista ao iG, a criação de um grupo de trabalho que, ao longo dos próximos dois anos e meio, deverá desenvolver a mais profunda pesquisa já realizada no país sobre os efeitos dos agrotóxicos – e de suas inseparáveis parceiras, as sementes transgênicas – na saúde pública.

O cenário que se desenha no coração do poder, em Brasília, deve ampliar o abismo entre os ministérios da Agricultura, da Fazenda e do Planejamento, de um lado, e da Saúde, do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Agrário, de outro. Reflexo da heterogênea coalizão de governo, esta será também uma guerra ideológica em torno do modelo agropecuário. “Não se trata de esquerdismo desvairado e nem de implicância com o agronegócio. Defendemos sua importância para o país, mas não podemos apenas assistir à expansão aguda do consumo de agrotóxicos e seus riscos com a exponencial curva ascendente nos últimos seis anos”, diz Guilherme Franco Netto. A queda de braços é, na verdade, para reduzir danos do modelo agrícola de exportação e aumentar o plantio sem agrotóxicos.

aa8

Caso de Polícia

“A ciência coloca os parâmetros que já foram seguidos em outros países. O problema é que a regulação dos agrotóxicos está subordinada a um conjunto de interesses políticos e econômicos. A saúde e o ambiente perderam suas prerrogativas”, afirma o pesquisador Luiz Cláudio Meirelles, da Fiocruz. Até novembro de 2012, durante 11 anos, ele foi o organizador gerente de toxicologia da Anvisa, setor responsável por analisar e validar os agrotóxicos que podem ser usados no mercado.

Meirelles foi exonerado uma semana depois de denunciar complexas falcatruas, com fraude, falsificação e suspeitas de corrupção em processos para liberação de seis agrotóxicos. Num deles, um funcionário do mesmo setor, afastado por ele no mesmo instante em que o caso foi comunicado ao Ministério Público Federal, chegou a falsificar sua assinatura.

“Meirelles tinha a função de banir os agrotóxicos nocivos à saúde e acabou sendo banido do setor de toxicologia”, diz sua colega do Inca, Márcia Sarpa de Campos Mello. A denúncia resultou em dois inquéritos, um na Polícia Federal, que apura suposto favorecimento a empresas e suspeitas de corrupção, e outro cível, no MPF. Nesse, uma das linhas a serem esclarecidas são as razões que levaram o órgão a afastar Meirelles.

aa9

As investigações estão longe de terminar, mas forçaram já a Anvisa – pressionada pelas suspeitas –, a executar a maior devassa já feita em seu setor de toxicologia, passando um pente fino em 796 processos de liberação avaliados desde 2008. A PF e o MPF, por sua vez, estão debruçados no órgão regulador que funciona como o coração do agronegócio e do mercado de venenos.

aa10

Fonte: Último Segundo
Fotos: pesquisa Internet

O vinho, do terroir à marca

a4

Um vinho é sempre a flor e o fruto de um equilíbrio singular e não reprodutível. Os antigos se maravilhavam, a sociedade industrial fica em pânico

Os romanos foram os primeiros globalizadores”, observou certa vez Pierre Legendre.1 A eles, então, o reino, o poder e a glória − era assim que Plínio, o Ancião, naturalista de língua latina nascido no ano 23 d.C., se felicitava: “Não há ninguém que não pense que, ao unir o Universo, a majestade do Império Romano fez progredir a civilização graças às trocas comerciais e à comunidade de uma feliz paz, e que todos os produtos, mesmo os que antes estavam escondidos, viram sua utilização se generalizar”.2

a2

Plínio abre dessa forma o livro XIV da História natural, consagrado à vinha, ao vinho e à vinificação, no quadro de uma primeira globalização feliz. O comércio do vinho era uma atividade muito antiga na região mediterrânea. Desde o fim da República e o início do Império, a Itália exportava tanto vinho quanto importava. Desde tempos remotos, mercadores e agrônomos desenvolveram o hábito de classificar os vinhos distinguindo sua origem. No final do século II a.C., era uma convenção que a qualidade do vinho estava mais relacionada a seu terroir(campo onde a uva é cultivada) e à sua região de produção que a seu modo de preparo – este último tendo principalmente sua importância na elaboração dos inumeráveis vinhos retificados, perfumados e aromatizados para corrigir uma cultura preguiçosa e uma vinificação defeituosa. Plínio evoca os crusitalianos, gauleses e espanhóis, depois os vinhos gregos, asiáticos e egípcios, cujo consumo era um sinal de distinção social em Roma. Já se prezavam os vinhos estrangeiros. O naturalista lamenta a moda. A respeito do vinho, ele contrabalanceia os males da moda e a ameaça que a extensão do comércio faz pesar sobre a arte dos homens, sobretudo sobre uma arte tão delicada quanto a de fazer vinho.

“Antes, os impérios, e por consequênciaos espíritos, estando limitados às fronteiras de sua nação, o magro campo deixado à aventura os levava fatalmente a cultivar as qualidades da inteligência. [...] A extensão do mundo e a imensidão das riquezas causaram a decadência das gerações seguintes.” Em matéria de vinicultura, o naturalista romano lamenta as consequências práticas dessa mudança de costumes: “Nossa época mostrou apenas poucos exemplos de perfeitos vinhedos”.

a3

Para compreender a situação do vinho na economia globalizada, é sempre perturbador lembrar o que observava Plínio no momento de uma primeira unificação do mundo em torno do Mediterrâneo. E é espantoso encontrar nele o testemunho antigo de uma “batalha do vinho”3 que é mais do que nunca a nossa: vinhos naturais contra vinhos maquiados, vinhos de terroir(nos quais prevalece o local de cultivo) contra vinhos de cepagem (que valoriza o tipo de uva utilizada), vinhos de artesãos contra vinhos de comerciantes, vinhos daqui contra vinhos de fora.

Não se bebia apenas vinho na época romana. Mas já se compreendia que não se tratava de uma bebida como as outras; sabia-se que existiam crus mais agradáveis que outros e que “dois vinhos irmãos da mesma vindima” podiam ser desiguais “por causa do recipiente ou de qualquer circunstância fortuita”; maravilhava-se com a importância do terroir; distinguiam-se os vinhos de Piceno, de Tibur, de Sabino, de Amínea, de Sorrento, de Falernum; bebia-se também cerveja e hidromel, mas dava-se ao vinho um privilégio e um mistério.

a5

Nascido da convergência de uma cepagem (ou de uma junção) particular, de um terroir dado, da arte de um vinicultor e das condições climáticas de um ano, um vinho é sempre a flor e o fruto de um equilíbrio singular e não reprodutível. Os antigos se maravilhavam, a sociedade industrial fica em pânico. Para as multinacionais do setor agroalimentar que gostariam de impor uma bebida universal ao mercado, um álcool de grãos – uísque, vodca ou gim – se adaptaria melhor: nenhuma necessidade geográfica de produção, nenhum problema de fornecimento de matéria-prima, nenhuma angústia meteorológica, nenhuma dificuldade de ajuste da oferta à demanda. Queremos acreditar que George Orwell pensou nisso ao fazer do “gim da Vitória” a única bebida alcoólica disponível no universo totalitário de seu romance 1984. Um licor ácido e transparente mas consolador que Winston Smith bebe no fim do livro, depois de ter enfim aceitado o poder do Big Brother.

Romanee-conti

O vinho tem o inconveniente de criar uma restrição de território. Para o Romanée-Conti, são 1,8 hectare e 6 mil garrafas produzidas por ano. Para um grupo mundial que sonha com esse carro-chefe dos vinhos da Borgonha, essa restrição da produção é particularmente problemática. Mais do que um terreno cercado de muros – mesmo que seja o mais prestigioso do mundo –, prefere-se então adquirir uma marca. Por exemplo, na Champagne, onde ninguém se pergunta sobre a explosão dos vinhos Krug ou Dom Pérignon desde sua aquisição pelo grupo Louis Vuitton-Moët Hennessy (LVMH), líder inconteste do luxo mundial. Educadamente, a imprensa especializada fala de “fornecimentos excepcionais”. Uma marca tem inclusive a vantagem de servir ao mundo inteiro. Vejamos a Chandon e seus espumantes produzidos na Argentina, na Califórnia, no Brasil, na Austrália, mas também na Índia e na China. Na Champagne, são produzidos 350 milhões de garrafas por ano. A demanda da nova classe média mundial por “borbulhantes” é dez vezes maior. O que o território não pode produzir, a marca o faz provendo ao mercado sparkling wines. Mas, sejamos honestos: os Chandons clínicos e tecnológicos são perfeitamente bebíveis e até mesmo muito bons.

chandon

Em seu documentário Mondovino,4 apresentado no Festival de Cannes em 2004, o cineasta norte-americano Jonathan Nossiter mostrou que o vinho tinha virado um produto como qualquer outro na sociedade de concorrência total. A tecnociência econômica globalizada estendeu seu império para todos os vinhedos do mundo por meio das marcas. Nas adegas azulejadas do Médoc, de Mendoza e do Nappa Valley, eles semeiam os mostos, corrigem a acidez do suco, colorem ou descolorem, turbinam e filtram os vinhos antes de comercializá-los em uma garrafa de Bordeaux com uma etiqueta internacional. Ao mesmo tempo, há algo de irredutível na lógica do território. O cineasta lembra isso ao filmar os vinhedos rebeldes nos Pirineus, na Sicília e na Argentina. Amável paradoxo da globalização: é no Brasil, no Chile, no Uruguai, na Grécia, na Geórgia, na Sérvia, no Japão e na China que aparecerão amanhã outros artesãos rebeldes às ordens da agroindústria. Pois o movimento dos vinhos naturais que se enriquece a cada ano de novos territórios também se torna global e mundial. Como na época de Plínio, uma rugosa batalha opõe aqueles que veem o vinho como um produto agrícola e os que o olham como um produto comercial. Nada mudou, a não ser em termos de escala, com o aparecimento da indústria, o desenvolvimento do marketing e a abertura infinita dos mercados.

KRUG-II

Existem com certeza os Doctors Strangelove do capitalismo total que sonham com um vinho único, assim como gostariam de uma água única, desmineralizada para apagar qualquer traço de sua origem, depois remineralizada e vendida nos cinco continentes. “O que eles querem é apagar a memória do gosto”, confiava-nos outrora Marcel Lapierre, líder improvisado de uma alegre guerrilha levantada contra os vinhos tristes na região de Beaujolais. Seu poder no mundo nos preocupa, seu desejo de potência nos alarma, seus objetivos nos aterrorizam. Ao mesmo tempo, não nos sentimos esses seres sem lugar nem memória capazes de esquecer o que observava Plínio: “Cada um se importa com o seu vinho e, onde quer que se vá, é sempre a mesma história”.

mondovino_capa

 

Fotos: Chuchotements et plaisir des yeux/ Sensualità
Fonte: Le Monde Diplomatique/Sébastien Lapague

a1

1 Ver Dominium mundi. L’empire du management [Dominium mundi. O império da gestão], de Gérald Caillat, sobre um texto de Pierre Legendre, DVD Idéale Audience International/Arte France, 2007.

2 Ler Plínio, o Ancião, História natural, XIV, texto escolhido, traduzido e comentado por Jacques André, Les Belles Lettres, Paris, 1958, p.24 e seguintes.

3 Ler Alice Feiring, La bataille du vin et de l’amour ou Comment j’ai sauvé le monde de la parkerisation [A batalha do vinho e do amor ou Como eu salvei o mundo da parkerização], Jean-Paul Rocher Éditeur, 2010.

4 Ver Mondovino, de Jonathan Nossiter, DVD TF1 Video, 2005, e principalmente Mondovino − La série, boxe com quatro DVDs, TF1 Video, 2006.


E-cigarro para ex-fumantes

cigarro 1Cigarros eletrônicos, também chamados de e-cigarros, e-cigs, e-cigarettes, são um método alternativo de consumo de nicotina, substância química viciante presente no tabaco. Normalmente os e-cigarros têm a aparência dos cigarros convencionais, mas não contêm tabaco e não precisam de um fósforo – nem de isqueiro, ou qualquer outro tipo de chama.

Um cigarro eletrônico desmontado, ao lado de líquido para recarga
Ary6/iStockphoto
Um cigarro eletrônico desmontado, ao lado de líquido para recarga

O e-cigarro é um dispositivo alimentado por bateria que converte a nicotina líquida em vapor, que o usuário inala. Não há fogo, cinzas nem cheiro de fumaça. Os cigarros eletrônicos não contêm outras substâncias químicas nocivas normalmente associadas ao tabaco, tais como alcatrão e dióxido de carbono.

Cigarro 5

Segundo os fabricantes do e-cigarro o produto é uma alternativa mais saudável aos cigarros feitos de tabaco, cujo consumo provoca milhões de mortes por ano. Consumidores afirmam que os cigarros eletrônicos ajudam a diminuir a “tosse de fumante”, apuram o paladar e o olfato e até melhoram o sono.

O farmacêutico chinês Hon Lik inventou o e-cigarro e patenteou o produto em 2003, lançando-o no mercado chinês em 2004. Atualmente várias empresas vendem cigarros eletrônicos em várias partes do mundo. Essa popularização foi acompanhada por dúvidas em relação a sua segurança  – por exemplo, há a suspeita de emissão de produtos nocivos no vapor do e-cigarro.

cigarro 2

No Brasil é proibida a venda – assim como a publicidade – do cigarro eletrônico. A decisão foi tomada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 28 de agosto de 2009, com base na “inexistência de dados científicos que comprovem a eficiência, a eficácia e a segurança no uso e manuseio de quaisquer dispositivos eletrônicos para fumar, conhecidos como cigarro eletrônico”.

O cigarro eletrônico é uma escolha mais limpa e saudável para os fumantes ou é um dispositivo perigoso, com riscos ocultos? Há fundamentos nos dois pontos de vista, mas na próxima página vamos começar pelo básico: como o e-cigarro funciona – e por que é popular.

A bateria de lítio alimenta o cigarro eletrônico e pode ser carregada por um carregador semelhante ao de celulares. A bateria aciona a câmara de vaporização, que é um tubo oco equipado com controles eletrônicos e um atomizador – o componente que cria o vapor. O cartucho contendo nicotina líquida é substituível e é encaixado na câmara de vaporização. A ponta do cartucho é a embocadura do cigarro eletrônico.

e-cigarro-2

Os usuários dos e-cigarros inalam da mesma forma que fariam com um cigarro tradicional. A inalação faz o atomizador aquecer e converter em vapor o líquido contido no cartucho. O vapor inalado passa pela embocadura e chega aos pulmões. A exalação libera vapor, com aparência semelhante à fumaça de um cigarro comum.

Adeptos dos cigarros eletrônicos dizem sentir muitas das experiências dos fumantes de tabaco, tais como segurar o cigarro, inalar e exalar. Muitos e-cigarros têm na ponta um LED que se acende quando quando o e-fumante inala, para simular a chama.

O “suco de fumaça” – o líquido contido no cartucho – normalmente é propilenoglicol, um aditivo químico aprovado para uso alimentar. As máquinas de nevoeiro, ou geradores de fumaça, usadas em shows, também usam propilenoglicol.  Nos e-cigarros normalmente há flavorizantes para dar sabor ao líquido. Entre as opções há tabaco, mentol, menta, chocolate, café, mação, cerejas e caramelo.

Cigarro 4

Nos países em que são permitidos, os cigarros eletrônicos são vendidos em lojas de varejo e – cada vez mais – em lojas online. Há diversos modelos e marcas. Alguns e-cigarros imitam cigarros comuns, mas há também aparelhos com formato de charuto, cachimbo e até de caneta. Os preços (em outubro de 2011) vão de US$ 40 a US$ 120 para um conjunto contendo o cigarro eletrônico, um carregador para a bateria e alguns cartuchos. Cada cartucho dura o equivalente a um maço com 20 cigarros e custa US$ 10 nos EUA. Também é possível recarregar os cartuchos, comprando o líquido, o que diminui o custo de fumar cigarros eletrônicos – podendo deixá-los mais baratos que os cigarros de tabaco.

cigarro 7

Então os cigarros eletrônicos têm custo e sensações semelhantes aos dos cigarros convencionais, mas são seguros? Para alguns especialistas em saúde é preocupante que os e-cigarros sejam anunciados como alternativa mais saudável ao tabaco. Antes de trocar seu maço de cigarros pelo aparelhinho, leia a próxima página para conhecer os potenciais riscos associados à novidade.

Fotos: Fleur de Lune
Fonte: saude.hsw.uol.com.br/