Já escolheu o sapato certo ?

sapato01Quem diria, hem, sapatos para homens, é um tema sem muito interesse, mas que causa muita curiosidade. Afinal, as mulheres são loucas por sapatos. Os homens…, bem, eles gostam, mas não confessam.

Calçados existem desde sempre. De todos os tipos e pra todos os gostos. Mas, na hora de desembolsar o sagrado dinheirinho… qual o melhor modelo?

Especialistas em calçados masculinos apostam, mais uma vez, nos ‘velhos’ mocassins (com cara de índio) e docksides modernos. Sempre. Entra ano e sai ano, e eles sempre são ‘a novidade do verão’.

Desde a Idade da Pedra que o ‘sapato’ está nos pés ou nas paredes das cavernas. Afinal, para proteger do frio, nada como couro, pelo ou mesmo pele de animal. Os homens pré-históricos, muito antes de Cristo, deixaram pinturas nas paredes de cavernas no sul da Europa mostrando pinturas rupestres de algo nos pés. Não era assim um ‘sapato’ de grife, mas protegia do frio e das pedrinhas no terreno. .

Os sapatos, com formato parecido ao que temos hoje, foram manufaturados há mais de 3.200 anos, na Mesopotâmia, atual Iraque. Esta herança é uma das principais características do calçado: conforto e proteção contra o frio, a chuva e das imperfeições do terreno. A belemocassim indigenaza, como ornamento, foi incorporado já no século 15. Os famosos sapatos de Luis XV que o digam.

Com a Revolução Industrial, e máquinas para produzir em larga escala, houve mais um avanço. Mas foi somente no século passado que os sapatos ganharam novos materiais. O couro ainda continua sendo o mais nobre.

GLOSSÁRIO
Cabedal: Parte superior do calçado destinada a cobrir e proteger a parte de cima do pé. Compreende praticamente toda a extensão do sapato, menos a sola. Divide-se em gáspea (parte da frente) e traseiro (parte lateral e de trás do calçado). O cabedal é para o calçado mais ou menos o que a carroceria é para o carro.

Contraforte: Reforço colocado entre o cabedal traseiro e o forro, na região do calcanhar. Se você apalpar com força seu sapato, por trás, vai sentir um semicírculo mais firme que cobre seu calcanhar. Esse é o contraforte.

Couraça: Reforço colocado no bico do sapato e fica escondido sob o material externo do cabedal (couro, lona etc) e o forro.

Gáspea: Parte frontal do cabedal do sapato. Compreende a porção que cobre desde os dedos até o peito do pé (em alguns modelos, é uma peça só com a parte chamada “língua” ou “lingueta”).

Solado: Conjunto de peças que formam a parte inferior do calçado e que se interpõem entre o pé e o solo.

Palmilha de montagem: Lâmina feita geralmente à base de celulose ou couro, do mesmo tamanho da planta da forma. Ela é fixada por cima da sola, e sobre ela é montado o cabedal do sapato.

Alma: Peça delgada posicionada longitudinalmente ao centro da palmilha, que serve para dar firmeza no caminhar e sustentar a planta do pé. Pode ser de aço, madeira, arame ou mesmo de plástico.

Palmilha de acabamento: Material (couro, tecido ou plástico) que recobre o sapato internamente, assentado sobre a palmilha de montagem e a alma.

Sola: Parte externa inferior do solado, que está em contato direto com o chão. Dela depende em grande parte a qualidade e performance do caldiagrama do sapatoçado.

Salto: Suporte fixado à sola na região do calcanhar e destinado a dar equilíbrio ao calçado.

Entressola: Camada intermediária colocada entre a palmilha de montagem e a sola.

Vira: Tira colada ou costurada em torno do sapato, sobre a beirada da sola (em geral, do mesmo material), como acabamento.

01- Contraforte
02- Palmilha de Acabamento
03- Forro
04- Lingueta
05- Cadarço – 06- Ilhóses – 07- Gáspea
08- Biqueira – 09- Sola – 10- Vira
11- Lateral – 12- Salto – 13- Traseiro

A padronização dos calçados, em números, foi ‘imposta’ pelo rei Eduardo 1º, da Inglaterra, que, em 1305 decretou o tamanho de uma polegada – três grãos secos de cevada alinhados. Desta maneira, os sapateiros passaram a fabricar sapatos em tamanho padrão, baseados na cevada. E antes de fazer a cerveja. Ou depois. Tanto faz. Com esta medida, um sapato que medisse 37 grãos de cevada era conhecido como tamanho 37.

Sistema europeu: Usado na França, Itália, Alemanha e na maioria dos países da Europa continental. Para fazer a correspondência com o brasileiro, devem ser somados duas unidades. Um tamanho 40 brasileiro, por exemplo, corresponde a um 42 europeu.

Sistema inglês: É o sistema ocidental mais antigo e se baseia na polegada (2,54 cm) e separado para crianças e adultos. A numeração infantil vai de 0 a 13 e a de adultos de 1 a 13œ. Não há um cálculo simples para a conversão de tamanhos para o sistema brasileiro. Um 40 nacional corresponde ao 8 na Grã-Bretanha.

Sistema estadunidense: É um sistema próximo ao inglês. Com relação ao último, basta somar uma unidade para fazer a correspondência. Assim, um 40 brasileiro, que é 8 na Inglaterra, é 9 nos Estados Unidos.

Sistema brasileiro: No Brasil, utiliza-se uma variação do sistema europeu, ambos baseados em cálculos sobre o sistema métrico.

Os sapatos masculinos, lógico, evoluem menos que os femininos. Afinal, um homem com três pares de sapato passa um ano. Uma mulher, com três pares de sapato passa uma semana. Ou menos.

Ao longo do tempo os sapatos masculinos sofreram poucas modificações. Os corpos do sapato se alongam, as biqueiras vão mudando, ficam mais arredondados, ora mais quadradas, mais finos, mais longos. A base do design ainda é a linha clássica.

Oxford

Oxford O cadarços foi introduzido na Inglaterra em 1640, e se tornou popular na Universidade de Oxford. A partir daí, o estilo e o nome se espalharam. Os sapatos oxford são caracterizados por serem um modelo fechado em que as perfurações para os cadarços são feitos diretamente no corpo do sapato, e não em abas costuradas sobre a gáspea (porção dianteira do calçado).

Atenção, se seu pé for muito alto, na hora de amarrar o sapato, as duas carreiras de orifícios não ficarão paralelas. Isso é sinal de que o sapato não é ideal para você. Se, pelo contrário, seu pé for relativamente baixo, as duas carreiras de furinhos tendem a se sobrepor uma sobre a outra.

DerbyDerby

No sapato Derby, a parte dos furos para o cadarço está situada em abas laterais costuradas sobre o corpo do sapato. Isto faz com que ele se adapte com mais facilidade a todas alturas do peito do pé.

Este é o menos formal dos sapatos clássicos, é muito versátil e funciona com costume, blazer e calça sem gravata, e também com calças de alfaiataria e camisa. Dependendo do modelo, pode ser usado com jeans.

Monky

MonkEstilo de sapato derivado dos sapatos dos monges (o nome inglês quer dizer “monge” em português) usados desde o século 15, mas sua versão contemporânea surgiu em 1930. É menos formal do que um oxford e mais do que um derby. Fácil de reconhecer pela falta de cadarços, que são substituídos por uma fivela metálica colocada na lateral, junto ao peito do pé. Bom para ternos e combinações como calça de alfaiataria e camisa social.

MocassimMocassins-

Este é o nome dado pelos índios algonquinos, da fronteira dos Estados Unidos como Canadá, aos seus sapatos de couro costurados a mão com pontos largos ao redor do peito do pé e sobre os dedos. Em versões mais estruturados, são chamados em inglês de “loafer”.

Na década de 60, a marca italiana Gucci lançou um modelo com fivela de metal e uma faixa verde e vermelha, que foram copiados no mundo inteiro. Há uma versão que foi feita para dirigir automóveis chamada “driver” que virou um clássico. É caracterizado pela flexibilidade e solado com gomos que impede que o calçado escorregue em contado com os pedais do carro.

O dockside ou “boat shoes”, é um tipo de mocassim que era usado por velejadores e ganhou as ruas nos anos 80. Tem amarração por cadarços e acabamento com fio na lateral que passa por ilhoses. Seja qual for o tipo de mocassim, lembre-se de que ele é um calçado casual e esportivo que deve ser usado com bermuda e calça jeans. Evite o uso de meias.

Loafer

LoaferInspirado em um modelo usado por noruegueses na década de 30, os estadunidense criaram os “weejuns” (pronuncia-se “uídjans”), uma corruptela de “Norwegian”, um dos tipos de loafers mais comuns. Seu diferencial é uma faixa de couro com um losango vazado na parte que cobre o peito do pé. Se tornou muito popular entre os universitários americanos na década de 50 e por isso foi considerado um dos ícones do estilo college.

Na Europa e nos Estados Unidos é muito comum seu uso com bermudas, mas no Brasil é pouco comum esta combinação. É um sapato casual que vai bem com calça jeans ou de sarja com camisa pólo.

Side goreSide gore
A principal característica deste modelo são as bandas largas de elástico nas laterais do calçado, ao lado do peito do pe, que dispensa o emprego de fivela, velcro, zíper ou cadarço.

Há várias versões deste modelo, desde os mais urbanos até as versões de cano médio para o estilo country (em que o elástico é coberto por uma espécie de fole de couro filetado). Dependendo do modelo, como os de couro preto ou marrom, sem adornos e de bico alongado, os “side gore” podem ser usados tanto com calça e blazer como com jeans.

Sapatênissapatenis 2

Este é o mais polêmico dos calçados. Eles surgiram na onda do “casual friday”, ou seja, a adoção por parte de algumas empresas da sexta-feira “casual”, em que os funcionários podem dispensar terno e gravata. Ele é um tipo híbrido, que se caracteriza por não ser nem tão esportivo quanto um tênis e nem tão formal quanto um sapato. Alheios à crítica especializada de moda que os acha definitivamente cafonas, consumidores fazem deles um sucesso de vendas.

Qual o melhor sapato para um homem? Olhando assim, de longe, o melhor sapato é o que, ao usar, você se sente melhor. Sem apertar, sem ser feio, ou estar sujo. Combine com sua calça ou bermuda, e com as roupas dela. Afinal, ela vai dar um importante palpite no seu sapato: “nunca mais use este sapato ao sair comigo !!”. Viu, uma opinião, assim, desinteressada, sempre ajuda. hehehe

Fonte: Ricardo Oliveros/Uol

Corte de cabelo masculino ?

Os homens procuram, cada vez mais, deixar seus cabelos estilosos, diferentes. Uma marca pessoal. E, entre eles, tem de tudo: topete, franginha, raspado, careca, tradiconal, colorido, militar. Enfim, ‘cada um faz o que gosta’ com o seu cabelo.

corte de cabelo topetee

 

O topete ficou com um formato diferenciado. Para isto é preciso raspar (ou cortar) o cabelo da lateral da cabeça e deixar o topete mais alto e volumoso. Não precisa ser tipo o Neymar, feio pra caramba. Mas, com cuidado, pode ser feito um novo estilo de cabelo masculino. Se elas gostam…

corte de cabelo cacheado

 

 

O bom e velho estilo militar continua na moda. Dá uma cara de macho. E nem precisa ser – hehehehe. Nas festas sempre tem homem um com um corte militar diferente, mudando o que se faz no Exército, o original. Fica legal e economiza no shampoo.

 

 

corte de cabelo chacheado

 

A maioria dos homens têm o cabelo ondulado ou cacheado, e não sabe muito como deixá-los bonitos. Ou eles ficam tortos, compridos e mal tratados, ou ficam cheio de gel. Uma droga. Os cabeleireiros indicam um corte desfiado, ou com as laterais mais baixas, e o alto com mais volume de cabelo, quase um topete. Ou, para quem tem coragem, assumir um topete ondulado. Elas adoram.

 

Corte de cabelo franja

O topete mais longo não saiu de moda, ficou mais popular principalmente entre os jogadores de futebol. E é o tipo adorado pelas ‘marias chuteiras’. Já as ‘marias gasolinas’ preferem os cacheados e os de estilo militar. O uso de franjas, jogado para o lado, para a frente ou do tipo índio, ganhou novas maneiras de usar. Elas dizem que ficou mais moderno e estiloso.

 

corte de cabelo topete

Meu amigo, se o seu estilo é não ter estilo, não se preocupe, no final – cada um tem o que cabelo que merece.

 

 

 

 

corte de cabelo masculino topete

 

 

Afinal, tem um tipo de cabelo para cada tipo de homem. E, como diz a música A nível de …, de João Bosco, “cada um come o que gosta”.

Macmaníacos enlouquecidos…

Reprodução-SonnyDicksoncomFofoca corre solta nas redações dos sites de conteúdo – Apple anuncia substituto do atual iPhone 5 no início de setembro. Segundo uma reportagem do site AllThingsD - http://allthingsd.com/20130810/circle-sept-10-on-your-calendar-for-apples-big-iphone-event/ – pertencente ao jornal Wall Street Journal, será no dia 10 de setembro.

O novo aparelho serve como leitor de impressão digital, preocupado com o roubo dos aparelhos. Acredita-se que o smartphone será chamado de iPhone 5S. Criativo, não?

Segundo as fofocas do sites chineses, o aparelho virá equipado com a tecnologia NFC, para transmissão de dados entre dispositivos, e de uma nova câmera fotografar com 12 Mpixels. Mais, dizem que será liberado no dia 10 de setembro.

Preço: mais do que vale e menos do que aceitam pagar os fanáticos por iPhone.

Foto: SonnyDickson.com

Dicas úteis para homens

bolsas de homemOs entendidos em moda falam em ‘tendências da moda’, em ‘looks’, e outros palavras modernas que pouco significam para nós. Para nós, homens, o que interessa é se fica bem e é confortável. O resto é moda. Que passa. Então, algumas dicas de ‘acessórios’ para um homem!

1 – Mochila ou Bolsa, tanto faz – se optar por bolsa, prefira as do tipo carteiro ou as bolsas de mão para levar o tablet e outros coisas. Sempre discretas.
2 – As calças que encantam as meninas são as famosa “pula-brejo” ou “pega-siri”. Dica dupla – dobre a barra de qualquer jeito. Mas com charme.
3 – A calça também pode ser a velha cargo ou a chino colorida. Tanto faz.
4 – Sandália flip flop de couro, sapato Oxford sem meia ou com. Os Samello sempre estão na moda. Tênis, discretos e de cores neutras.
5 – As camisas polos são esportivas e elegantes. Prefira as lisas em cores discretas.
6 – Use acessórios atraentes e discretos, sapatos, cintos, gravatas.
7 – A gravata fina, para os mais jovens, pode ser usada com tênis e jeans. Gravata média para quem tem o pescoço curto. A larga, para os altos.
8 – Barba não feita sempre é um charme, desde que bem cuidada.
9 – As cores da moda: azul e laranja.
10 – E gosto não se discute. Lamenta-se.